3 weekend – Confi(n)ar – Remember…”Cativar 2018″

O que se faz num fim de semana, em que mais uma vez, ficamos em casa num espírito de solidariedade para evitar a propagação do Covid-19?

 

Dias de sol que convidam-nos a sair…

Do meu gabinete, minúsculo em tamanho mas maiúsculo no suporte literário de um percurso de mais de três décadas de investigação educacional…vejo o sol a brilhar pela janela entreaberta  a convidar para uma saída ao exterior…contudo, remeto-me à descoberta dos meus livros, dos meus apontamentos e, por fim, vou para o mundo digital,  aproveitando para fazer uma “clean up”.

Com “todo o tempo do mundo”, leio com atenção as newsletters das quais sou subscritora. São pessoas que, tal como eu, gostam de escrever e utilizam o mundo virtual para “passar” o(s) seu(s) pensamento(s); despertaram o meu interesse, “cativaram” a minha atenção e admiração, pelos seus percursos profissional e/ou pessoal.

É quase sempre um prazer  ler o que pensam, o que fazem, os seus desafios e o que lhes vai na alma.

Hoje, à tardinha, a minha atenção recaiu na newsletter  da Psicóloga Isabel Lage , a qual tive o privilégio de conhecer no VI ENCONTRO NACIONAL DE FORMADORES, 17 de novembro de 2018 no Instituto Politécnico de Leiria, com o tema: O JOGO, CURIOSI-DADE E PRAZER NA APRENDIZAGEM:

https://www.youtube.com/playlist?list=PLgeChMKX_s3cw9p0vKlHrQWQw75h_dr9U

3º Painel: “Viagem ao mundo do JOGO”, VI Encontro Nacional de Formadores, 17 de novembro de 2018 * Emília Silva | Professora “Cativar para a Aprendizagem”

Passaram-se dois anos, e reflito sobre o que transmiti e a minha interação com o público … E faço a seguinte questão:

Poderia viver sem replicar a minha experiência pedagógica? Poder, podia, mas não era a mesma coisa.

Termino, fazendo minhas as palavras do Professor Celso Vasconcellos :

O professor deverá agir como um “facilitador das relações” e “problematizador das situações”. É indispensável que o educador domine o conteúdo e domine muito bem, para saber onde é importante dar ênfase, relacionar, criar, selecionar e organizar (caso contrário ele seria sempre “animador”). Ele deve ter a convicção de que aquilo que está propondo é relevante para o educando, além de ter a tranqüilidade de ser feito com antecedência o plano de trabalho. (2005 p. 75).

VASCONCELLOS, C. S. A construção do conhecimento em sala de aula. São Paulo. 16 ed. Libertad, 2005.

 

#CativarnaEscola

(Visited 36 times, 1 visits today)

Sem comentários ainda.

Deixar um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *