Em jeito de reflexão, nos últimos dias de março de 2020

Os tempos que se vivem na escola são de elevada complexidade e é crucial promover o bem estar dos alunos e o sentimento de pertença a este espaço por onde têm obrigatoriamente de passar. Reforço que não é uma ideia romântica querer ensinar com base nos valores e na afetividade, cativando os alunos.

É primordial pôr os alunos a falarem, saber quais as suas prioridades. Elevar os seus  níveis de autoestima. Não deixar que se desmobilizem. Quando a motivação é pouca e a fragilidade é muita, porque estão inseridos num contexto de desconformidade, a escola não pode demitir-se dos alunos.

 

Estes tempos de “reclusão” fizeram-me pesquisar nos meus trabalhos científicos as “vozes” dos alunos do 1º ciclo sobre a escola:

 – “sinto-me à vontade pois posso falar sempre com a professora “ (João – 7 anos);

– “ a escola, para mim, significa estudar e aprender com gosto” (Rita – 8 anos);

 – “a minha escola é bonita… tem relva para piqueniques. Os professores são tão bons e simpáticos e as auxiliares nem se fala, elas são uns amores connosco” ( Francisca – 8 anos);

 – “na escola aprendo a ser bem educada e feliz” ( Maria – 7 anos);

– “ eu gosto da escola porque é bonita, grande e confortável” ( Francisco – 8 anos);

– “eu dou-me bem com todos” ( Fábio – 7 anos);

 – “eu na escola sinto-me protegido. Antes havia buracos e terra mas agora há um jardim com flores e relva” (Afonso – 8 anos);

– “fico feliz por estar com os colegas…nem gosto de pensar que posso ficar doente e não vir à escola…” (Diogo – 6 anos)

– “ onde gosto mais de ir é à sala dos computadores pois fico a saber mais tal como o meu irmão (13 anos)” ( Rafael – 8 anos);

– “para mim a escola é importante porque faz-me crescer e aprender em paz…” (Mariana – 8 anos);

“A escola surge como um importante marcador no processo de desenvolvimento de crianças, adolescentes, jovens e adultos, um contexto privilegiado de intervenção que permite o acesso a todas as camadas populacionais.”

(Pinto e Picado, 2011, p.16).

Os docentes não podem perder a capacidade de ser surpreendidos pelo encantamento de se relacionarem diariamente com os seus alunos. O embate é, por vezes, violento ou deslumbrante mas este é um privilégio de se ser professor.

 

 

 

Cf: Pinto, A. & Picado, L. (2011). Adaptação e Bem-estar nas Escolas Portuguesas. Dos alunos aos professores. Lisboa: Coisas de Ler.

(Visited 71 times, 1 visits today)

Sem comentários ainda.

Deixar um Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *